Developer: Nintendo
Plataforma: Nintendo Switch
Data de Lançamento: 28 de Junho de 2019

Depois de no passado dia 19 de Junho termos lançado a nossa antevisão de Super Mario Maker 2, que serviu como um breve introdução para o jogo, vamos sem mais demoras começar a revelar todos os pormenores sobre este exclusivo da Nintendo Switch.

Ao entrarem em Super Mario Maker 2, a primeira coisa que vão notar, é que este é jogável no ecrã inicial de jogo. E acreditem que será algo que vocês vão fazer quase que instantaneamente, isto é, tentarem finalizar o nível que é apresentado no ecrã. Todos os níveis que me apareceram apresentavam sempre algum do conteúdo novo e que pode ser usado neste Super Mario Maker 2, o outro pormenor delicioso é que, se vocês falharem várias vezes a finalização do nível, o jogo automaticamente vos manda para o modo de construção de níveis para alterarem o nível apresentado, de forma a que o consigam finalizar se assim entenderem.

E já que falamos no modo de construção, temos como grande novidade, a possibilidade de construir níveis de Super Mario 3D World: uma introdução que tem tudo para dar cartas. Apresenta novas adições ao jogo como o Cat Mario, e algo que tem de se mencionar instantaneamente é que qualquer nível que vocês criem para os outros estilos de jogo (Super Mario Bros., Super Mario Bros. 3, Super Mario World e New Super Mario Bros. U) não é convertido para este este novo estilo de jogo.

Neste estilo de jogo temos uma componente 3D muito bem delineada, e tal como o nome indica, para criação do nível temos os terrenos, que estão divididos por 14 opções: desde canos, terreno, escadas de tijolo, gelo, nuvens, etc. Algumas destas opções são alteradas consoante o cenário que escolherem, obviamente que se estiverem no cenário de castelo o terreno será os famosos tijolos, mas se já tiverem na neve a opção será terra com neve por cima; porém, no caso do campo então teremos relva. A Nintendo não deixou nenhum pormenor ao acaso, está tudo à vossa disposição e de uma maneira altamente intuitiva.

Depois dos terrenos temos os diversos Itens que tanta ajuda dão a Mario e companhia (não achem estranho dizer companhia, Mario pode ter mesmo companhia, mas disso já falamos), e temos 8 itens desde moedas, estrelas, cogumelos, entre outros. Seguidamente temos os inimigos, e são muitos mesmo os que podem usar, cerca de 25. Nestes estão incluídos os mais conhecidos como Koopa Troopa, Goomba, Blooper e imaginem que até o Koopa Troopa Car. Além disso, temos agora os inimigos com um tamanho assinalável como Meowser, Boom Boom, Charvaargh, e mais dois ou três.

Por último temos os Gizmos, cerca de 22, e que podem usar: desde árvores, chaves, trampolins, canhões, roldanas, entre muitas outras coisas. É a partir desta enorme “artilharia” que podemos começar a construir os diversos níveis.

Se saltarmos então para os estilos de jogo Super Mario Bros., Super Mario Bros. 3, Super Mario World e New Super Mario Bros. U, então a quantidade de coisas ainda consegue ser maior. Para os terrenos temos cerca de 16 opções, já nos Itens a oferta é de 9 opções, e em relação aos Inimigos a quantidade continua a ser gigante, cerca de 27 inimigos. Por último, os Gizmos saltam para 28 nestes estilos.

Nestes últimos quatro estilos de jogo temos em comum podermos saltar de uns para os outros sem quaisquer problemas, uma vez que o jogo converte os cenários incríveis de New Super Mario Bros. U até ao velhinho Super Mario Bros. Como devem imaginar isso obrigou a Nintendo a adicionar novas mecânicas em alguns desses jogos que não tinham por exemplo a opção de terrenos inclinados nas versões mais antigas de Mario, algo que agora podemos ver neste jogo. E se no caso anterior estávamos a falar de terrenos, podemos também falar dos inimigos que foram adicionados às antigas versões de Mario, como Kamek ou Bowser Jr. Mas existem também adições nos Itens e nos Gizmos – um trabalho incrível e excelente por parte da equipa de desenvolvimento deste Super Mario Maker 2.

Além dos estilos de jogo temos também os cenários, e num número bastante considerável, temos campo, céu, debaixo da terra, floresta, debaixo de água, casa assombrada, deserto, aeronave, neve e por último o cenário do castelo. São os 10 cenários que conhecemos de Super Mario e todos eles incríveis e com todas e mais algumas opções.

De seguida temos a opção de o cenário andar sozinho, que nos oferece cinco opções: a de mexer-se conforme o nosso personagem avança, o de avançar sozinho lentamente, o de avançar sozinho a uma velocidade razoável, de avançar sozinho a uma velocidade bastante rápida e um modo que pode ser personalizado, ou seja, podem escolher se querem que ele ande sozinho em determinadas zonas para cima, noutras para baixo, noutras em frente e até na diagonal. Incrível!

Depois também há o Timer e onde podem escolher o tempo (de 10 segundos a 500 segundos) para os jogadores acabarem o vosso nível. Existe ainda a opção de limpar totalmente o nível que estão a construir, à borracha, para chegar a alguns componentes que estão no cenário e ainda a opção de undo para retrocederem em algo que fizeram e não gostaram. Podem ainda escolher o tamanho do nível e até criarem uma área secundária, isto é, dois cenários totalmente diferente no mesmo nível. Para isso, podem usar, por exemplo, um cano para saltarem para o outro cenário. Por último, têm a opção de Save e Load que dispensa apresentações.

A criação de níveis tem alterações significativas caso estejam a jogar pela dock ou em modo portátil. No modo dock temos de usar os joy-cons ou o pro controller para construção dos níveis; mas além de podermos usar os d-pads para escolher os diversos itens que querem colocar no ecrã também podem usar alguns atalhos, por exemplo para escolher os itens podem carregar no Y e irão aparecer todos os itens que podem colocar no ecrã; e podem também usar o L para apagar entre outros atalhos. Já no modo portátil tudo é feito a partir do touch screen, à excepção de um ou outro atalho que podem usar.

Tudo isto é alterado quando decidimos criar níveis em modo cooperativo, e aí cada jogador ficará com um joy-con e caso estejam em dock ou em modo portátil, podem usar as funções todas a partir dos joy-cons. No caso do modo portátil, além dos joy-cons, continua a ser possível usar o touch screen para interagir com a construção. Algo que está um pouco escondido é a opção de alterarem o personagem que podem usar neste modo, para isso têm de ir aos Settings e alterar o personagem, podem escolher Mario, Luigi, Toad e Toadette.

Saltando agora para o Modo História, que embora não seja muito aprimorada serve bem para colocar os jogadores a jogarem níveis “sem parar”. Aqui teremos de reconstruir o castelo da Princesa Peach (já que um reino do cogumelo sem um castelo nunca seria o mesmo), para isso, Mario irá colocar o seu capacete de obras e ajudar a Chefe de obras Toadette e os seus trabalhadores na recontrução do castelo. Como para tudo na vida é preciso dinheiro, o nosso objectivo é arrecadar moedas para conseguiremos desbloquear as diversas construções necessárias para colocar o castelo de pé.

Para obtermos o máximo de proveito deste Modo História, temos de ir falando com os diversos personagens que entram neste mesmo Modo, desde logo a Chefe Toadette, mas também o Mestre de obras Toad que será aquele que nos dará a maioria dos trabalhos (níveis) onde vamos consegui arrecadar as moedas. Como vos falei na antevisão, existem diversos tipos de níveis e em todos os estilos, assim como cenários e até níveis de dificuldade. Os mais complicados são mesmo “maquiavélicos” e com a “loucura” demonstrada no seu melhor. Quando não estiverem a conseguir ultrapassá-los irá aparecer Luigi, e quando isso acontece terão a hipótese de alterar parcialmente os níveis, isto é, podem adicionar itens, no entanto, não é possível remover nada que faça parte dos níveis. Além da dificuldade do nível em si, existem alguns que só conseguimos completá-los se preenchermos determinados requisitos, como por exemplo não saltar, trazer um determinado item, entre outros desafios. Caso nem assim consigam completar esses níveis e percam todas as vidas, Luigi irá entrar em acção e dar-vos a opção de completarem o nível sem terem de jogá-lo, e neste caso irão receber a recompensa de completar o nível, mas nada mais.

Além de Toadette e Toad existem ainda outros personagens que vos oferecem diversos desafios, como é o caso por exemplo de Toad Amarelo, Toad Vermelho, Toad Azul, o contructor Toad Amarelo ou até Mr. Eraser (a nossa borracha). Todos eles vão oferecer-vos desafios para completarem. Tenho de dizer que vale mesmo a pena finalizá-lo, pois surpresas é algo que não faltará durante toda esta jornada de construção.

Outro dos modos que muitos jogadores adoram em Super Mario Maker 2 é obviamente o modo Course World, e este oferece uma diversidade de níveis criados pela comunidade sem igual. Esses níveis podem ser encontrados no Courses, e podem procurar por dificuldade, região, pelos mais populares, entre outras opções. Algo que quero realçar, é que caso não gostem de jogar em níveis que parecem impossíveis de acabar, no momento em que carregam num nível existem determinadas informações que podem encontrar: a percentagem de jogadores que o completaram, o número total de tentativas/tentativas com sucesso, o record de tempo em que este foi completado, os comentários dos jogadores que os testaram, quantos likes o nível teve e até os utilizadores que os completaram. Parâmetros para escolherem se é um daqueles níveis que vão querer jogar é o que não vos irá faltar.

Se forem muito competitivos existe ainda o Leaderboard para os jogadores que conseguiram mais pontos na criação de níveis; os que conseguiram completar mais níveis; e ainda os que venceram mais jogadores na opção de uns contra os outros.

Existe ainda o Network Play que permite jogarem em modo Multiplayer Cooperativo com um total de 4 jogadores, além  da versão competitiva com o modo Multiplayer Versus em que vão jogar contra 4 jogadores (para ver quem completa em primeiro lugar determinado nível). Estes dois modos foram dos que achei mais divertidos, porque competir ou tentarmos ser cooperativos de modo a finalizar os níveis é uma experiencia bastante interessante. Depois têm ainda os modos para jogarem com amigos que estejam perto de vocês.

Para fechar o modo Course World não podia deixar de falar do Endless Challenge, onde vos é apresentada uma tab com várias dificuldades, desde Easy até Super Expert, têm ao todo cinco vidas para completarem um determinado número de níveis, e essas vidas podem ser aumentadas caso apanhem outras pelo meio (mas também são diminuídas quando morrem).

Além disto existe ainda o Yamamura’s Dojo que vos permite aprenderem mais sobre a criação de níveis, ou até dos movimentos que podem usar. Outra funcionalidade útil é a das notificações que vos vão informado um pouco sobre tudo, desde níveis em que o vosso record foi ultrapassado, a como está a correr os níveis que vocês colocaram online, entre outras informações.

Super Mario Maker 2 é provavelmente o melhor jogo de construção de níveis feito até hoje, super intuitivo, permite usar diversos itens e tem opções que parece não terem fim. Será certamente um dos jogos do ano para os fãs de construção e de plataformas. Eu cá fiquei rendido ao trabalho feito pela equipa de desenvolvimento do jogo, já que nos traz tudo o que precisamos com detalhe. Os níveis criados por outros jogadores têm diversas informações que nos permitem perceber se vale a pena serem jogados ou não, sem falar dos modos cooperativos e competitivos que são diversão pura. Se são fãs de Super Mario e de plataformas, então este é um jogo absolutamente imprescindível!