Developer: Playside Studios
Plataforma: PC
Data de Lançamento: Em Early Acess

O aviso está logo no início do jogo. Vamos perder. Muitas vezes.

Age of Darkness: Final Stand não é o tipo de jogo para quem procura um desafio fácil. É brutal e cada erro que cometemos pode ser o último.

O jogo em early access desde outubro de 2021 é ambicioso e também os seus devs, que afirmam que querem construir a experiência de jogo ao lado da comunidade.

Mas este Real Time Strategy, apesar de não passar de uma larga demo, já traz várias coisas para nos manter entretidos durante umas horas.

Publicidade - Continue a ler a seguir

Primeiro temos 3 classes: The Order, The Rebellion e The Volatists, umas mais viradas para defesa, outra mais ranged e a outra mais atacante. A que se adapta melhor ao estilo de jogo terão que ir descobrindo, lá está, depois de ir perdendo sucessivamente.

O jogo atira-nos logo para o mapa, isométrico e com pinta clássica de Warcraft, e onde vamos descobrir que além das nossas tropas, temos um herói, com capacidades extra que vai ajudar na defesa na nossa pobre desculpa para cidadela.

Cada noite vão aparecendo os Nightmares, monstros que povoam todo o mapa e vêm de todos os lados para acabar connosco. Pelo meio, temos que aprender que temos de colher recursos e muito importante, que planear a expansão da nossa aldeia. Um edifício mal colocado pode significar que não o conseguimos defender durante as incursões inimigas. Pior ainda, pode causar um efeito cascata que resulta na nossa morte. Mas a isso lá nos vamos habituando.

Em resumo:

Agora só com survival mode, o jogo final contará com uma campanha, que dará mais profundidade e expansão a Age of Darkness: Final Stand. Por agora, é uma boa opção se gostarem de RTS brutais. Os mapas, por serem gerados processualmente, nunca são exatamente iguais, mas não contem com cenários ou inimigos muito variados.