FIFA 19: Sugestões Táticas – Parte 2

No futebol, a excelência de uma dinâmica ofensiva, além de outras coisas igualmente importantes, é definida essencialmente por duas: o aproveitamento das características dos jogadores para determinado propósito; e uma dinâmica que explore essas mesmas características.

No FIFA, primeiro que tudo, há que considerar o factor humano e a tomada de decisão de cada um, sendo que a Inteligência Artificial apenas irá fornecer as opções para cada circunstância de jogo. É nesse sentido que, saber o que esperar das movimentações dos jogadores que naquele momento estão a ser controlados pela IA, é o principal caminho para desequilibrar o adversário.

Depois de abordados os Planos de Jogo no artigo anterior, agora, tal como havíamos prometido, vamos debruçar-nos sobre as Instruções Individuais Ofensivas dadas aos jogadores.

Numa concepção tática, a criação de um dinâmica, apesar de mais complexa, é também a parte mais interessante. Se podemos olhar para a Formação como um esqueleto, neste cenário, a dinâmica é o seu sistema nervoso. A quantidade de hipóteses é praticamente infinita, sobretudo porque depois em campo, uma acção vai inevitavelmente influenciar as outras.

Para descomplicar, o mais simples é dividirmos os jogadores por sectores e estabelecer parcerias entre posições que irão trabalhar em conjunto. E relembro que, tal como descrito no artigo anterior, o Estilo Ofensivo escolhido deve ser o Equilibrado.

De maneira a que possam entender melhor todas as implicações que as Instruções Individuais têm na prática, vamos focar-nos no 4-3-2-1, uma vez que considero ser a Formação mais versátil em termos de Intruções Individuais.

 

 

 

 

Corredores Laterais

 

Olhemos então para as acções do Atacante Esquerdo/Atacante Direito (AE/AD), do Defesa Esquerdo/Defesa Direito (DE/DD) e do Médio Centro Esquerdo/Médio Centro Direito (MCE/MCD). Num flanco, a eficácia das combinações ofensivas entre estes três jogadores, muitas vezes, irá decidir a forma como conseguimos controlar um jogo.

No caso do (AE/AD), estão disponíveis as opções de Desmarcação de Apoio (Abrir nas Alas, Manter-se no Centro e Largura Equilibrada); e Desmarcação Ofensiva (Aparecer nas Costas, Ataque Misto, Homem Alvo e Falso 9).

Já o (DE/DD) tem dois conjuntos de opções: Desmarcação Ofensiva (Juntar-se ao Ataque, Ataque Equilibrado e Ficar Atrás Durante Ataque); e Tipo de Corrida (Sobreposições, Ataque Misto e Invertido).

Relativamente ao (MCE/MCD), as opções resumem-se a Apoio Atacante (Subir para o Ataque, Ataque Equilibrado, Ficar Atrás Durante Ataque); e Liberdade Posicional (Ficar na Posição, Liberdade de Movimentos).

 

Dinâmica 1:

AE/AD: Manter-se no Centro + Aparecer nas Costas

DE/DD: Juntar-se ao Ataque + Sobreposições

MCE/MCD: Subir para o Ataque + Ficar na Posição

 

No momento em que a bola é recuperada, é o AE/AD quem lidera o ataque, num movimento de profundidade, obrigando a linha defensiva adversária a recuar e a fixar-se numa zona mais central, deixando várias vezes o flanco com bastante espaço para ser aproveitado pela entrada do DE/DD. O MCE/MCD também beneficia desse movimento do AE/AD, e aproveita um vazio que vai ficando à sua frente, onde irá estar disponível para receber de frente para o jogo, sem marcação, e com tempo e espaço suficientes para enquadrar. Funciona muito bem em contra-ataque, mas também tem sucesso em ataque organizado, uma vez que no último terço, o AE/AD vai alternando entre pequenos movimentos de ruptura entre o defesa lateral e o defesa central do adversário, mas também recua para pedir no pé, favorecendo a tabela com o Ponta-de-lança (PL). Nessa situação, a tendência do DE/DD é posicionar-se de forma bastante profunda, funcionando quase como um médio, e com várias ocasiões para cruzar para a área. Já o MCE/MCD irá aparecer muitas vezes em zonas onde poderá optar por rematar de longe, ou por combinar em movimentos de ruptura com o PL e DE/DD.

Por ser uma dinâmica extremamente vertical, onde haverão diversos movimentos à frente da linha da bola, poderá existir um certo desequilíbrio na altura de defender, assim como poderá existir alguma dificuldade para encontrarmos linhas de passe seguras contra oposições que façam uma pressão mais alta; pelo que recomendo usarem apenas o flanco onde tiverem os jogadores mais velozes, para aplicarem essa dinâmica.

 

Dinâmica 2:

AE/AD: Largura Equilibrada/Manter-se no Centro + Ataque Misto

DE/DD: Ataque Equilibrado + Sobreposições

MCE/MCD: Ataque Equilibrado + Ficar na Posição

 

É uma dinâmica para quem gosta mais de ter a bola e esperar pelo momento de atacar a baliza adversária. O AE/AD posiciona-se normalmente entrelinhas, pedindo no pé e servindo de apoio frontal aos médios; e conforme a opção escolhida (Largura Equilibrada ou Manter-se no Centro), irá ser definida a distância entre os AE/AD, PL e DE/DD. Quem prefere usar todo o campo para construir o ataque, aconselha-se a primeira opção; quem se sente mais confortável no jogo interior, com constantes tabelas no corredor central, recomenda-se a segunda.

O DE/DD estará sempre pronto para fazer o overlap, sendo que o AE/AD fixa o defesa adversário, e o DE/DD aparece nas suas costas em velocidade, no entanto, há um truque, porque o AE/AD precisa saber esperar e segurar a bola para que o DE/DD entenda que é altura de iniciar a corrida. Saber como tirar partido desta pequena sociedade será verdadeiramente destruidor para a defensiva adversária, já que esta estará inúmeras vezes em inferioridade numéria nos flancos.

Quanto ao MCE/MCD, funcionará como box-to-box, e a sua principal responsabilidade será permitir que a equipa progrida com segurança; percebendo o momento de subir e penetrar nas linhas adversárias, ou ficar, e oferecer uma linha de passe mais segura.

 

Dinâmica 3:

AE/AD: Abrir nas Alas + Aparecer nas Costas

DE/DD: Ataque Equilibrado + Invertido

MCE/MCD: Subir para o Ataque + Ficar na Posição

 

A função do AE/AD é causar indecisão no defesa-lateral adversário, uma vez que este vai ter de escolher entre deixar o AE/AD fugir-lhe nas costas, ou acompanhá-lo e abrir um espaço importante entre o defesa central, para ser posteriormente explorado pelas entradas tanto do MCE/MCD, como do DE/DD.

O DE/DD irá posicionar-se mais por dentro, servindo muitas vezes como transportador da bola e podendo progredir sem grande oposição, já que os movimentos do AE/AD e do MCE/MCD lhe permitem ter bastante espaço no centro do terreno.

O MCE/MCD irá comportar-se como um segundo avançado, ameaçando a linha adversária sempre que possível, ou fixando o lateral para depois libertar no AE/AD.

É uma dinâmica que resulta melhor quando se joga com bastante largura, porque o objectivo é alargar a defesa adversária e aproveitar a desorganização. Tanto serve a modelos de contra-ataque, como de posse.

 

 

 

 

Corredor Central (Avançados)

Uma dinâmica igualmente importante, não estivesse ela na origem da maneira como chegamos ao golo. Sabendo que os três avançados têm os mesmos conjuntos de Instruções Individuais, ou seja, Desmarcação de Apoio (Abrir nas Alas, Manter-se no Centro e Largura Equilibrada); e Desmarcação Ofensiva (Aparecer nas Costas, Ataque Misto, Homem Alvo e Falso 9), aqui, o propósito é olhar para as características dos jogadores e encaixá-los na nossa filosofia de jogo.

 

Dinâmica 4:

PL: Largura Equilibrada + Ataque Misto

AE e AD: Abrir nas Alas/Manter-se no Centro + Aparecer nas Costas

 

Fora da área, o PL tem a missão de procurar proporcionar sempre uma linha de passe para quem está de frente para o jogo, colocando-se entrelinhas e segurando a bola o tempo suficiente para as entradas do AE e do AD. Quando o momento é oportuno, tenta também pequenos movimentos de ruptura dentro da área, ganhando o espaço para ter somente de finalizar.

Com a opção de Abrir nas Alas, o AE e o AD posicionam-se do lado exterior dos laterais opositores, numa busca quase obsessiva para ultrapassar a linha defensiva adversária. A diferença para a opção de Abrir nas Alas e Manter-se no Centro depende essencialmente da distância que têm para o PL, ou para o DE/DD, facilitando mais as combinações entre uns e outros, mas não só, porque com a instrução de Manter-se no Centro o AE e o AD fazem também diagonais de fora para dentro, sendo bastante imprevisível para quem defende.

 

Dinâmica 5:

PL: Manter-se no Centro + Aparecer nas Costas

AE e AD: Manter-se no Centro + Aparecer nas Costas

 

Perfeito para quem gosta de jogar em contra-ataque e absolutamente devastador quando a bola é ganha no corredor central, com desmarcações imediatas dos avançados para a zona de finalização, que beneficiarão de um adversário desorganizado e com sérias dificuldades para responder rapidamente e com eficiência.

 

Dinâmica 6:

PL: Largura Equilibrada + Aparecer nas Costas

AE e AD: Largura Equilibrada + Ataque Misto

 

O PL tenta frequentemente a profundidade, arrastando os centrais do adversário, e criando espaços promissores para o AE e o AD poderem enquadrar, decidir e executar à vontade. O AE e o AD tanto vão poder optar entre esperar pelas entradas dos colegas, como eles próprios vão fazer pequenos movimentos de ruptura dentro da área quando a situação o permitir. O ideal para quando o AE ou o AD têm o pé contrário ao flanco que ocupam.

Como o PL procura incessantemente as costas da linha defensiva adversária, no momento de contra-ataque será sempre a principal referência, aproveitando quaisquer erros de marcação.

 

 

 

 

Corredor Central (Médios)

É o coração de qualquer equipa. Conseguir que estes três jogadores (MC, MCE e MCD) funcionem como uma unidade é meio caminho andado para ganhar a partida. Mais uma vez, todos têm as mesmas Instruções Individuais disponíveis: Apoio Atacante (Subir para o Ataque, Ataque Equilibrado, Ficar Atrás Durante Ataque); e Liberdade Posicional (Ficar na Posição, Liberdade de Movimentos); garantindo opções para qualquer modelo de jogo.

 

Dinâmica 7:

MC: Ficar Atrás + Ficar na Posição

MCE: Ataque Equilibrado + Ficar na Posição

MCD: Subir para o Ataque + Ficar na Posição

 

O esquema de três médios mais convencional. O MC actua como pivot defensivo, subindo muito pouco, e preferindo oferecer linhas de passe ao lado e atrás do portador da bola. A sua principal preocupação é defender a zona à frente da baliza, logo não contem com ele para participar no ataque.

O MCE servirá como ponto de equilíbrio da equipa, ligando o jogo ofensivamente, e sendo o principal parceiro do MC na hora de defender. Dependendo das workrates do jogador em questão, tentará também chegar perto da área adversária, com boas oportunidades para rematar de média distância.

Já o comportamento do MCD será de um autêntico médio ofensivo, preparando-se sempre para receber à frente da linha da bola, e onde irá alternando entre em movimentos de penetração na área, e remates de longe.

 

Dinâmica 8:

MC: Subir para o Ataque + Liberdade de Movimentos

MCE: Ficar Atrás + Ficar na Posição

MCD: Ficar Atrás + Ficar na Posição

 

Outra dinâmica bem conhecida, com dois pivots defensivos e um médio mais adiantado. No fundo, é como se transformasse num 4-2-3-1, com dois médios de cobertura (MCE e MCD) a compensar as subidas dos laterais e do MC, que joga mais como segundo avançado, livre, e sendo um suporte indispensável ao PL. Para quem pretende uma estratégia mais equilibrada, esta dinâmica é uma excelente opção.

 

Dinâmica 9:

MC: Ficar Atrás/Ataque Equilibrado + Ficar na Posição

MCE: Subir para o Ataque + Ficar na Posição

MCD: Subir para o Ataque + Ficar na Posição

 

Pura vertigem. Quem se sente confortável a defender com poucos jogadores, e gosta de impor um ritmo alto de transições de um lado e de outro, esta poderá ser uma boa solução. O MCE e o MCD sobrecarregam a área adversária sem piedade. Um autêntico rolo compressor que está sempre a imprimir pressão na defesa adversária.

O MC tem a missão ingrata de ser único responsável por tentar conferir algum equilíbrio, contudo, irão verificar que não consegue fazer milagres no momento em que a nossa equipa perde a posse da bola.

 

Ficam então com algumas das dinâmicas que melhor funcionam, e que poderão agora usar para montar a tática que mais se adapta ao vosso estilo de jogo. Na hora de pensarem uma estratégia, também é importante não dissociar o que determinado jogador tem para oferecer naquela posição. Mais relevante do que qualquer modelo, é o que cada jogador faz dele.

Caso desejem consultar o artigo anterior, podem fazê-lo aqui:

FIFA 19: Sugestões Táticas – Parte 1

Author Nuno Mendes
Published
Views 119

Deixa um comentário