Developer: Deep Silver
Plataforma: PlayStation 5, PlayStation 4, Xbox One, Xbox Series X|S, PC
Data de Lançamento: 23 de agosto de 2022

Em mais uma showcase organizada para mostrar as novidades de Saints Row e o ponto de situação do seu desenvolvimento, muitas foram as surpresas que o estúdio Volition tinha reservado para os jornalistas. O evento durou aproximadamente duas horas, com a primeira hora a mostrar um gameplay comentado, e a segunda reservada para perguntas e respostas.

Saints Row está bem e recomenda-se. Este reboot que será lançado no dia 23 de Agosto na PlayStation 4, PlayStation 5, Xbox one, Xbox Series e PC, está a chegar aos momentos finais do seu desenvolvimento, e pelo entusiasmo de todos aqueles que nos receberam nesta showcase, parece que está a decorrer dentro da normalidade e a chegar aos resultados que foram inicialmente idealizados.

Por tudo aquilo que foi mostrado até agora, não há dúvida de que é um Saints Row, contudo, há uma clara intenção não só de renovar a franquia, como de estabelecer os padrões para os seus sucessores. Existem muitas surpresas, e é prometido o jogo mais ambicioso e vistoso da série. E por aquilo que tivemos a oportunidade de ver, sem dúvida que corresponde às expectativas criadas, tanto para os fãs, como para novos jogadores que irão a partir deste jogo conhecer a franquia.

Segundo os elementos do estúdio, será um reboot que pretende continuar a atmosfera de acção e paródia dos títulos anteriores. Todavia, também nos reserva diversos momentos emocionais, dada a natureza de cooperação com os diversos membros do grupo. É, nesse sentido, uma tentativa de celebrar tudo o que fez a saga ganhar a popularidade que tem hoje, dando um passo mais além, e entregando uma experiência cheia de diversão e boa disposição.

Como o mote de Saints Row é criarmos o nosso próprio império do crime, o gameplay começou por nos dar a conhecer algumas das personagens durante um golpe a um gang rival. As cutscenes ajudam a contextualizar a circunstâncias, e os diálogos demonstram a intenção de investir mais na personalidade das personagens. Foi inclusivamente dito que teremos missões secundárias com o objectivo claro de conhecermos as personagens de forma mais profunda, e as motivações por trás de cada uma.

Depois de uma fase mais cinemática do assalto, claro, a obrigatória fuga, e a primeira amostra do que poderemos esperar de novo em termos da jogabilidade. Vamos ter um sistema de condução inédito, tornando os veículos muito mais manobráveis quando comparamos com os jogos anteriores. Não temos o mesmo peso nas curvas quando comparamos com os jogos anteriores, e o objectivo é mesmo tornar a condução o mais espetacular possível. Além disso, temos a novidade dos takedowns, como forma de removermos de cena quem ousa perseguir-nos, bastando para isso esperarmos pelo melhor timing para abalroarmos o veículo que está ao nosso lado.

Adicionalmente, temos a opção do wingsuit que nos permite sair do carro em pleno andamento e planar longe da confusão, para depois até aterrar nos veículos que desejamos ocupar a seguir. É um bom exemplo de como Saints Row procura acumular momentum em todas as situações, de maneira a que a acção persista desde que começa a missão, até que esta termine. Numa primeira análise, parece a melhor condução de toda a série, e uma secção do jogo que os jogadores provavelmente irão considerar como uma das mais divertidas.

Os veículos são completamente personalizáveis, esteticamente e não só, e é mesmo de loucos todas as possibilidades que temos à disposição. Vamos poder deixar qualquer carro bem ao nosso gosto, seja com ornamentações mais minimalistas, como as mais excêntricas. Os aficionados do tuning têm aqui, portanto, um prato cheio, e todas os ingredientes para passarem horas simplesmente entretidos a comprar decorações.

Continuando com as personalizações, as possibilidades também são quase infinitas no que diz respeito à nossa personagem. É um dos cartões de visita da franquia, e não podia igualmente faltar neste reboot. É possível modificar tudo o que possam imaginar nosso aspecto, tanto ao nível físico, como de vestuário e acessórios, incluindo até vários tipos de próteses (e sim, também elas personalizáveis). Dito isto, temos assim todas as condições para podermos criar o kingpin dos nossos sonhos, e deixar uma verdadeira marca no mundo do crime.

Paga-nos o café hoje!

Sendo um jogo em open world, houve uma forte aposta em tornar o mundo bastante imersivo. Isso vê-se no modo como podemos interagir com os npc’s até mais triviais, que reagem aos nossos comportamentos, como nas actividades que estão espalhadas pelo cenário, como carrinhas de transporte de dinheiro, por exemplo. É uma maneira de encorajar a exploração, e tentar-nos a incidir sobre operações criminosas adicionais, que quase sempre surgem sem que estejamos à espera. Parece funcionar bem, e uma forma inteligente de preencher esta enorme sandbox que é a cidade de Santo Ileso.

Outra importante novidade é a War Tablet, o que por outras palavras, é um mapa da cidade mostrando os distritos e os gangues que os controlam. É similar ao sistema que podemos encontrar em Mafia 3, e oferece missões e tarefas secundárias aumentando assim o conteúdo e as horas de jogo para quem gosta de se dedicar a completar tudo o que temos disponível. É uma adição interessante e encaixa bem no contexto de mundo aberto e de luta de territórios, especialmente porque o combate parece estar fantástico, e qualquer oportunidade para termos alguma acção acaba por calhar bem.

Sim, o combate será uma das componentes que mais foi trabalhada e levou uma autêntica transformação quando olhamos para os antecessores. A sua complexidade aumentou substancialmente e será uma das partes que mais irá surpreender os jogadores, não só ao nível das armas, mas principalmente no combate corpo-a-corpo. Cada combate pretende ser espetacular e tem diversas animações para que cada sequência nunca pareça igual à anterior. A juntar a isso, as habilidades que vêm trazer toda uma nova dinâmica ao combate, sendo que podemos ter quatro equipadas simultaneamente, e, segundo parece, a variedade é considerável.

A quantidade de armas que teremos ao nosso dispor aparenta ser mais do que suficiente para uma experiência rica de combate. Temos as armas mais convencionais, mas uma vez que estamos a falar de Saints Row, temos igualmente as mais bizarras (uma delas com uma curiosa referência ao filme El Mariachi), e ainda outras extremamente poderosas, que podem até disparar através das paredes. Aqui, as vastas opções de personalização não fogem à regra, e além dos melhoramentos podemos ainda alterar o aspecto como bem desejarmos.

A perspectiva próxima do ombro no momento de disparar proporciona uma sensação mais credível e aprazente da acção. De tudo, foi provavelmente a parte que mais me impressionou e aquela que me deixou com mais água na boca. Por parecer estar tão bem trabalhado, tenho quase a certeza que levará muitos jogadores a procurarem fazer o máximo possível de tarefas e missões secundárias, de forma a aproveitarem cada hipótese de entrarem em cenas de combate. E numa dinâmica cíclica de missão-recompensa-upgrade/personalização, acredito que se torne realmente viciante.

Graficamente também está excelente. Não tanto nos modelos das personagens, já que nesse particular considero que podia estar melhor para um jogo lançado em 2022. No entanto, os reflexos, as luzes e a fluidez demonstradas, conseguem com que a jogabilidade seja transportada para um plano cujos momentos mais frenéticos farão certamente este título brilhar. Tem um estilo que, embora não seja propriamente de animação, impacta visualmente com um tom vivente e vibrante. Diria que acertaram em cheio na configuração artística, visto que se cruza com naturalidade num gameplay disposto a ser constantemente agitado e empolgante.

Saints Row promete ser um dos grandes lançamentos do verão. E depois da oportunidade de assistirmos à jogabilidade com um maior pormenor, e após termos ouvido com atenção as revelações de alguns membros da equipa de desenvolvimento, não tenho dúvidas que irá ajudar a preencher o vazio que temos actualmente de jogos com esta proposta.

Venha ele!