Resident Evil 3 Remake não vai ter fins alternativos. Numa entrevista à Playstation Magazine UK, Peter J. Fabiano, produtor do jogo disse que o jogo “não terá vários finais” como no original e que a exploração de Raccoon City não será como um jogo de mundo aberto, mas haverá alguma liberdade em alguns lugares clássicos, como lojas, o posto de gasolina Stagla, o hospital ou o jornal Raccoon.

Peter J. Fabiano disse ainda que podemos esperar uma versão melhorada de Nemesis e que este “vai assombrar cada canto da cidade” de Resident Evil 3 Remake, devido aos seus terríveis atos de violência. Foi usada a tecnologia RE Engine para fazer o scan deste monstro em tamanho real.

Haverá uma maior ligação com o áudio do jogo, uma vez que em Resident Evil 3 Remake, vamos ter de estar atentos aos sons que surgem no nosso caminho para evitar os perigos. “Existem mais espaços abertos e uma das coisas que faz Nemesis ser tão assustador é não sabermos quando ele vai aparecer”, daí o som ser algo a ter em conta.

O mercenário Carlos Oliveira, que ajuda a figura principal Jill Valentine na história, será jogável novamente e “será bastante interessante”, diz-nos o produtor na entrevista. Talvez venha a ter conteúdo adicional, tal como aconteceu em Resident Evil 2 Remake. Ao contrário do jogo original de 1999, as escolhas que se faziam a meio das cenas vão estar fora de Resident Evil 3 Remake.

Resident Evil 3 Remake chega no dia 3 de abril ao PC, Xbox One e Playstation 4.

Deixa um comentário