Se na temporada passada podia ter ficado a ideia de que a campanha do Wolverhampton foi coisa de uma época só, este ano foram tiradas todas as dúvidas. O Wolves de Nuno Espirito Santo, também apelidada de “a equipa mais portuguesa de Inglaterra”, continua o seu percurso incrível, intrometendo-se entre os grandes da Premier League e agora até com óptimas condições para se qualificar para a Liga dos Campeões.

Como tal, decidimos recriar um modelo de jogo muito especial, e que tantos pontos tem roubado nos confrontos com os principais clubes ingleses.

Para quem não souber, as táticas podem ser criadas em Personalizar/Convocatórias/Nova Convocatória. E é importante não esquecer que depois de salvar as alterações, é necessário tornar a tática como favorita (botão do na PlayStation 4 e botão Y na Xbox One). Têm de ser utilizados os plantéis offline para que a tática apareça como pré-definida.

O 3-4-2-1 de Nuno Espírito Santo

Paga-nos o café hoje!

Este sucesso não acontece por acaso e muito se deve a um sistema que se pode considerar híbrido entre o 3-4-2-1 e o 3-4-3. Defensivamente muito difícil de bater, em particular porque tem normalmente 7 jogadores prontos para uma transição defensiva forte, que faz desse momento também o ponto de partida para um ataque desconcertante e mortífero. Tendo Diogo Jota, Jiménez e Adama Traoré como principais referências ofensivas e sempre prontos para atacar a defesa adversária de uma forma muito agressiva.

No separador das Táticas colocaremos o seguinte:

Estilo Defensivo (Pressionar no Erro)

Largura (5/10)

Profundidade (4/10)

Estilo Ofensivo (Construção Rápida)

Largura (6/10)

Jogadores na área (5/10)

Boly, Coady e Saiss oferecem uma enorme segurança defensiva e ganham praticamente todos os duelos, seja no chão ou no ar. Jonny Castro e Matt Doherty oferecerem a largura necessária para que a equipa consiga circular a bola quando necessário, mas são João Moutinho e principalmente Rúben Neves os maiores responsáveis para que a bola chegue com qualidade a Jota, Traoré e Jiménez que conseguem destruir qualquer defesa através de uma velocidade frenética.

Seguem as Instruções individuais:

Rui Patrício (GR) Defendendo Cruzamentos Equilibrado; Defendendo Fora da Área Equilibrado

Saiss (DCE) Apoio Atacante Ficar Atrás Durante Ataque; Interceções Interceções Normais

Coady (DC) Apoio Atacante Ficar Atrás Durante Ataque; Interceções Interceções Normais

Boly (DCD) Apoio Atacante Ficar Atrás Durante Ataque; Interceções Interceções Normais

Jonny Castro (ME) Apoio Defensivo Recuperar Posição Defensiva; Criação de Oportunidade Ficar na Ala; Desmarcação de Apoio Apoio Curto; Apoio nos Cruzamentos Subir para Centros Equilibrado; Interceções Interceções Normais

João Moutinho (MDE) Atitude Defensiva Defesa Equilibrada; Apoio Atacante Ficar Atrás Durante Ataque; Interceções Interceções Normais; Posição Defensiva Cobrir Centro

Rúben Neves (MDD) Atitude Defensiva Defesa Equilibrada; Apoio Atacante Ficar Atrás Durante Ataque; Interceções Interceções Normais; Posição Defensiva Cobrir Centro

Doherty (MD) Apoio Defensivo Recuperar Posição Defensiva; Criação de Oportunidade Ficar na Ala; Desmarcação de Apoio Apoio Curto; Apoio nos Cruzamentos Subir para Centros Equilibrado; Interceções Interceções Normais

Diogo Jota (MOE) Apoio Defensivo Ficar na Frente; Apoio nos Cruzamentos Subir à Área para Cruzamentos; Liberdade Posicional Liberdade de Movimentos; Interceções Interceções Normais

Jiménez (PL) Desmarcação de Apoio Largura Equilibrada; Desmarcação Ofensiva Aparecer nas Costas; Interceções Interceções Normais; Apoio Defensivo Ficar na Frente

Traoré (MOD) Apoio Defensivo Ficar na Frente; Apoio nos Cruzamentos Subir à Área para Cruzamentos; Liberdade Posicional Liberdade de Movimentos; Interceções Interceções Normais

 Vantagens:

– Muito sólido defensivamente

– Com espaço o contra-ataque é verdadeiramente mortífero

– Jiménez cria várias situações de finalização

Desvantagens:

– Não oferece tantas soluções para quem prefere controlar o jogo em posse

– Os três avançados não têm uma grande participação defensiva

Para quem gosta de boas condições para contra-atacar o adversário, este sistema implementado por Nuno Espírito Santo é actualmente dos mais eficazes da Europa. Não se desequilibra a defender e a vertigem proporcionada pelos três homens da frente irá criar oportunidades suficientes para que o adversário nunca se sinta confortável no jogo.

Outros Sistemas táticos:

O Benfica de Bruno Lage

O Porto de Sérgio Conceição

O Brasil de Jorge Jesus

O Braga de Ruben Amorim